"A Quadrilha"

terça-feira, 2 de outubro de 2012

A famosa Quadrilha desfilava sob os meus olhos. Aquela famosa, de Drummond. E tudo me pareceu ser bem mais comum do que eu supunha. Ocorrendo com uma frequencia tal, quase corriqueira. Naquela noite, de poucas palavras, poucas letras e vogais, monossílabos ecoavam. Tinha ela querendo ele, ele me querendo, eu querendo você, e você, sem saber ao certo o que queria, só chamava por Deus. Normal. Aquelas ironias da vida. Todos querendo algo. Ninguém satisfeito. Ela aceitaria o pouco que ele desse. Ele me ignorou por saber-se não correspondido. Eu me contentei em te absorver por alguns instantes. E você, por sua vez, não sabendo ao certo o que queria, só chamava por Deus. Fim de noite. Quatro seres e a solidão de suas camas macias, numa noite enluarada e fria. Por que? Vai saber. Talvez, porque todos queiramos o certo por motivos errados. Talvez, porque todos queiramos o errado por motivos certos. Dos outros não sei. De mim, sei que te quero por ser você, exatamente assim. E você... Você continua sem saber. Ouça um bom conselho, que como o poeta, te dou de graça, "é inútil dormir que a dor não passa". Pare de pedir ajuda aos céus. "Indecisão é saber exatamente o que se quer, mas achar que deveria querer outra coisa". Siga em frente, porque "o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto." 

*Texto escrito em 16/04/2011
Ocorreu um erro neste gadget