Aviso aos navegantes

sexta-feira, 24 de julho de 2009

O título desse blog define exatamente a que ele se detina: Escrever bobagens. É uma forma que encontrei de exteriorizar e compartilhar com os amigos coisas que eu sinto, acontecimentos corriqueiros que me chamam atenção de alguma maneira, e a forma como percebo esse fatos. Alguns leitores se identificam, outros se projetam, pouquíssimos entendem. Geralmente aqueles que contribuem direta, ou indiretamente, com as idéias dos textos. Tudo aqui é uma coisa da Katita, Katinha, Katucha, Tatí, ou como preferirem, sem maiores pretenções.
Então, aos amigos e colaboradores deixo beijos, abraços e os sinceros agradecimentos por todo carinho e por perderem o precioso tempo da vida de vocês copartilhando das minhas bobagens. Aos desavisados e maldosos, deixo a frase de um amigo: "Minha vida é uma série de feitos fantásticos, a respeito dos quais eu tenho muitas revelações profundas...Mas francamente, nada disso é da conta de vocês." " A maldade está nos olhos e na mente de quem lê, não de quem escreve." E tenho dito.

Basta-me saber que eles existem.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Sabe aquele texto: “Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos. Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências… Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida... Vinícius é foda. Tem como não concordar? Ainda que meus amigos sejam, também, meus amores. Porque só um amigo pra fazer a tua vida cheia de cor. Tem aquele que te manda um e-mail solidário por você ter sido assaltada nos primeiros dias em uma cidade estranha, e também aquele que simplesmente te oferece um bombom pra passar o susto. Tem aquele que fica no MSN contigo, até as 4 da madruga, em pleno feriado de páscoa, tomando vinho, comendo castanha e filosofando sobre o nada. Tem aquele, que é teu vizinho, que te dá carona todo dia pro trabalho, escuta tuas crises existenciais, vai contigo ao supermercado, farmácia, padaria e te deixa tomar banho no chuveiro quente dele, quando o teu tá quebrado e tudo o que você precisa é de um banho e cama, depois de um dia frio e cansativo de trabalho. Tem aquele que te traz uma sopa e uma canjica quando você tá muito cansada pra fazer qualquer coisa. Aquele que quando teu teto desaba, se compadece, te manda tomar um banho e descer pra que ele te prepare alguma coisa pra comer. Ou aquele que pelo telefone te chama de sem teto, tudo bem, rir é sempre o melhor remédio. Aquela que afunda os pés na lama contigo, te oferece ajuda com o trabalho no fim de semana, e canta pra alegrar o ambiente. Tem aquela que te faz morrer de rir imitando a professora da academia. Tem aquela que vai te visitar quando você não consegue mais ir a lugar nenhum. E aquela que marca a tua consulta no médico quando você não tem mais tempo nem pra pensar. Aquele(a) com quem você discute todas as relações, não a dos dois, mas a de cada um com os outros. Aquele que manda você se jogar. Aquele que manda você ter cuidado. E aquele que não só te manda, como também se joga contigo, te ensina e te ajuda a viver. Tem aquele com quem você “carpemdia”. Aqueles que se apaixonaram por você quando criança e só declararam quando estavam prestes a casar. Aquele outro, por quem você se apaixonou quando criança. E aquele que você conheceu dia desses, em dois dias ficou sabendo quase tudo da vida dele, em três se apaixonou, em quatro foi embora, mas tudo bem, porque a amizade ficou. Tem aqueles de quem você, além de amiga, é terapeuta, se bem que todo amigo é um pouco disso. Os mesmos que desviam um caminho de quase 80 km pra te levarem a um luau com a galera. Aqueles que sempre bolam alguma programação para o fim de semana. Tem aquele que te liga pra saber as novidades, mesmo tendo falado contigo a menos de duas horas, porque, pra ele, isso é tempo suficiente pra muita coisa acontecer, principalmente na tua vida. Aquele que te pergunta se você fez boa viagem e te dá um beijo de boa noite. Aquele que te pede um abraço quando tá carente, e você não pensa duas vezes pra cair naquele abraço apertado. Aquele a quem você simplesmente abraça, porque o abraço de um amigo é tão gostoso e quentinho. Aquele pra quem você chora tuas pitangas, acerolas, e uma salada de frutas inteira. Aquele que te incentiva a estudar, porque sabe do que você é capaz. Aquele que planeja mil viagens contigo, que um dia, vocês não sabem quando, mas vão realizar. Aquele que tem paciência pra te ensinar sobre investimentos. Aquele que pergunta o que há de errado e como foi teu dia. Aquele que aproveitou contigo todos os carnavais. Aquele que te entende quando nem você consegue se entender. Aquele que passa o dia todo te aperreando e discutindo contigo, mas quando tá longe sente a maior falta. Aquele que não quer que você vá embora. E aquele que, quando vai embora, faz teus olhos se encherem de lágrimas. Aquele que diz: “Não diga nada”, porque nenhuma palavra é suficiente para expressar o pensamento. E aquele que diz: “não me olhe assim”, porque só um olhar é suficiente pra dizer tudo. Tem aqueles com quem você conversa o tempo todo. Aqueles com quem você não fala nada, e ainda assim a companhia é prazerosa. E aqueles a quem você desejaria ver mais vezes pra bater um papo. Sendo bem egoísta, amo meus amigos porque eles são meus amigos. Do jeito louco e peculiar de cada um. Amigos a quem reencontrei, depois de muito tempo distante, amigos de longa data, que se mantém por perto, feito anjos da guarda, mesmo quando eu insisto nessa minha vida cigana, de não prender a ninguém e a ninguém me prender, novos amigos por quem o sentimento é cultivado um pouquinho mais, todo dia. Feliz dia do amigo. Sempre.
Ocorreu um erro neste gadget